domingo, 28 de outubro de 2012

Campeonato Paulista: Caldeirão empurra e Sollys garante vaga na final


O torcedor do Sollys/Nestlé teve motivos de sobra para adiar a balada deste sábado (27) e dar um pulo no José Liberatti. Isso porque foi a primeira vez que a equipe de Luizomar de Moura jogou em casa na condição de campeão do Mundial de Clubes. Não bastasse, uma vitória sobre o Pinheiros levaria o grupo à final do Paulista feminino.

E as jogadoras não decepcionaram os fãs, que preencheram todos os espaços do ginásio. Seguras, as osasquenses dominaram as paulistanas e marcaram 3 sets a 0 (25/18, 25/20 e 25/10), fechando a série melhor de três com dois triunfos. Com isso, o Sollys marcou encontro na grande decisão com o Vôlei Amil, às 21 horas do próximo domingo (4), em Campinas.

No clima do Mundial, Sollys coloca 1 a 0
O Sollys aproveitou o primeiro jogo em casa, após se sagrar campeão mundial, para mostrar a desejada taça à torcida. Os fãs se animaram e cantaram ainda mais forte no Liberatti, jogando pressão sobre Andréia, Carol e companhia. O Pinheiros sentiu e não começou bem a disputa. Diferente do Sollys, que emplacou uma série de pontos.

Depois de uma boa participação de Jaqueline, a equipe de Osasco colocou 8 a 2. As adversárias, no entanto, foram buscar a diferença e deixaram o duelo mais equilibrado. Isso até a segunda parada obrigatória. Daí em diante, as laranjas fizeram valer a maior experiência para fechar em 25 a 18.

Pinheiros aperta, mas Sollys vira no final
A pressão do Liberatti não inibiu o elenco da capital, que começou a mil por hora o segundo set. Já o Sollys teve dificuldade para se impor, deixando a torcida laranja preocupada. O Pinheiros se aproveitou do momento mais favorável para abrir boa vantagem. Resultado: a equipe visitante provocou a parada obrigatória com 8 a 2.

Após o início ruim, o Sollys aos poucos se recuperou. Pela ponta, Jaqueline marcou uma série de pontos. Thaísa também não desperdiçou as oportunidades quando acionada pelo meio. No embalo, a torcida se empolgou nas arquibancadas e passou a cantar. O elenco da capital sentiu e parou de pontuar.

Depois da segunda parada técnica, o time laranja assumiu de vez o comando do placar. Como última alternativa, Wagão promoveu a inversão do 5-1. Mas de nada adiantou. O Sollys não perdeu o embalo, tampouco a torcida nas arquibancadas. E foi numa desmico de Fernanda Garay que o time da casa fechou em 25 a 20.

Osasquenses atropelam paulistanas
Se no segundo set foi o Pinheiros que mostrou agressividade desde o princípio, no terceiro o domínio mudou de lado. O Sollys fechou o fundo de quadra e, com isso, ganhou inúmeros contra-ataques. Não por acaso, o elenco de Osasco disparou no marcador e rapidamente chegou a 8 a 1.

Acuadas, as meninas de Wagão demoraram a encontrar o melhor ritmo. Luizomar aproveitou então para promover a inversão do 5-1, colocando Karine e Ivna (13/3). Na sequência, Samara ganhou a chance de mostrar serviço e substituiu Fernanda Garay. O sexteto laranja não perdeu o ritmo e manteve a boa diferença no placar.

Já as paulistanas se perderam de vez e colecionaram erros em todos os fundamentos. Insatisfeito, Wagão solicitou tempo com 18 a 4. Ainda houve tempo para Dani Suco e Gabi entrarem. Antes mesmo do 25º ponto, a torcida já começou a cantar “Campinas, pode esperar, a sua hora vai chegar”. E foi nesse clima que o Sollys fechou em 25 a 10.

Nenhum comentário:

Postar um comentário