quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Vôlei Nacional: Com 1,69 m e 95 kg, líbero do vôlei "é obesa e pode ter carreira encurtada", diz nutricionista


Aos 25 anos, a jogadora Suelen, líbero do Vôlei Amil, de Campinas, sofre com um problema que afeta quase 50% da população brasileira, de acordo com dados do Ministério da Saúde: o excesso de peso. O problema dela, porém, vai além. Com 1,69m de altura, a atleta pesa 95kg, e está atualmente no grau I de obesidade.

De acordo com Mirtes Stancanelli, nutricionista da equipe comandada pelo tricampeão olímpico José Roberto Guimarães, Suelen tinha um quadro ainda mais grave até pouco mais de um mês. Ela pesava cerca de 102kg e estava no estágio II da obesidade. Desde então, começou um tratamento específico para perder ao menos mais 10 quilos em dois meses - além dos sete que já perdeu.

Além de estar mais propensa a lesões, ela pode até mesmo ter a carreira encurtada, já que o corpo de Suelen, de acordo com Mirtes, faz um esforço três vezes maior do que se estivesse num peso compatível para sua altura.

- Hoje, o quadro dela é de obesidade. Se ela estivesse mais magra, poderia alcançar uma performance melhor do que a que vem tendo. Estaria mais ágil, rápida, e uniria isso à inteligência que tem. Teria menos peso para carregar do corpo e suportaria mais tempo em quadra. O vôlei exige condição física melhor, ainda mais a Superliga, que tem um ritmo muito forte. Isso pode encurtar a carreira dela, claro. Do jeito que está, o corpo trabalha três vezes mais do que precisa, e uma hora vai cansar - afirmou a nutricionista.

Os dados oficiais do Vôlei Amil apontam que Suelen, apesar de ser a segunda jogadora mais baixa do elenco, atualmente é a mais pesada do grupo. À reportagem, a atleta declarou que come menos do que
precisa, mas que "engorda só de olhar a comida", já que, segundo ela, "sofre de um problema de genética".

- É uma dificuldade minha, que já vem comigo a carreira toda. Aqui em Campinas fizemos vários testes e estou sendo acompanhada de pertinho. Só de olhar para comida, eu engordo. Então como menos do que preciso e ainda faço atividade física para emagrecer - disse a jogadora, que neste ano chegou a ser convocada para a seleção brasileira de novos para a disputa de torneios internacionais.

Mirtes Stancanelli declara que, de fato, a genética contribui para a obesidade de Suelen. Porém, o que determina o problema é o método de alimentação e a qualidade de vida. Ou seja: o que a pessoa come em qualidade e quantidade. Um sanduíche do Mc Donald's, por exemplo, que Suelen coma uma vez a cada três meses, torna-se um alimento excessivo para alguém com quadro de obesidade, já que "alimenta as células gordurosas" e dificulta o emagrecimento.

Para reverter esse quadro e colocar a atleta em condições melhores para disputar a Superliga, que começa no fim de novembro, a comissão técnica do Vôlei Amil tem feito Suelen trabalhar mais. O preparador físico José Elias Proença faz treinamento específico com a líbero para queimar gordura em exercícios aeróbicos, como esteira e bicicleta ergométrica.

- Enquanto as outras atletas fazem trabalho na academia com carga alta na musculação, o trabalho que faço com ela é de consumo energético. É algo focado na resistência e na velocidade, para ajudar na queima de gordura e acelerar o emagrecimento - reitera Proença, que garante que, apesar da obesidade, o exame de sangue da atleta não apontou nenhum dado 'anormal'.

Para chegar ao objetivo final, Suelen tem se dedicado bastante ao trabalho que lhe foi proposto. Além de seguir a dieta sugerida, a líbero se dedica na preparação física e segue as recomendações dos profissionais à sua volta.

- Quando estou no treino, ela não desvia o olho de mim. Vem conversar, se interessa, está disponível. É reflexo de ela querer emagrecer. Ela, agora, parece que entendeu que precisa perder peso. É o primeiro passo que foi dado - finalizou Mirtes.

Fonte: UolEsportes

Nenhum comentário:

Postar um comentário