sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Superliga: RJX supera pressão do Vivo e volta a vencer


Apesar da juventude de Otávio, Lucarelli e Lucas Loh, o Vivo/Minas não se intimidou diante do RJX, que pela primeira vez mandou um jogo no Maracanãzinho. O tempo do vôlei não encheu, mas foi palco de um bom duelo entre fluminenses e mineiros, na noite desta quinta-feira (20), pela oitava rodada da Superliga masculina.

Melhor para Bruninho e companhia, que passaram a borracha na derrota para a Medley/Campinas, na última etapa, e comemoraram a reabilitação para cima dos minastenistas ao fazer 3 sets a 1, parciais de 25/22, 25/18, 21/25 e 25/20. Com isso, foram a 21 pontos e retomaram a liderança. Os oponentes, por sua vez, continuaram com dez.
 
Antes do recesso de fim de ano, RJX e Vivo voltam a se apresentar pelo Nacional. O elenco de Horacio Dileo segue viagem para o interior de Minas Gerais, onde enfrenta a UFJF no sábado (22), às 19 horas (de Brasília). Já os meninos de Marcelo Fronckowiak têm mais um clássico pela frente, desta vez com o Sada Cruzeiro, às 21h30 do mesmo dia.

RJX cresce no final e abre vantagem
Filip foi a maior novidade do Vivo para o duelo com o RJX. E Marcelinho não perdeu a chance de acionar o tcheco, que colocou os visitantes em vantagem no início do primeiro set (5/6). Somado aos erros de saque e ao bloqueio sobre Thiago Alves, o representante de Belo Horizonte forçou a primeira parada com 8 a 6.

Mas Theo não quis decepcionar a pequena torcida que compareceu ao Maracanãzinho. Com os golpes certeiros do oposto, o RJX se recuperou e passou a incomodar os mineiros. Ainda assim, o Vivo soube jogar com a diferença, a ponto de chegar ao segundo tempo obrigatório com 16 a 15, resultado de um ataque preciso de Filip.
 
E as equipes seguiram abusando dos erros de saque após a parada técnica. Com isso, o jogo ficou truncado. E seguiu também equilibrado, a ponto de os dois elencos abrirem a reta final com os mesmos 21 pontos. Mas a força do Vivo terminou aí. Mais consistentes, os cariocas pararam de errar e fecharam em 25 a 22. 
 
Defesa funciona e RJX leva a melhor
O bloqueio do RJX já deu o ar da graça no início do segundo set. Filip que o diga (4/2). Lucão também armou seu veneno no saque e fez a linha de passe do Vivo desmoronar. Cauteloso, Dileo logo chamou os pupilos para uma conversa (2/5). A parada fez bem, e o elenco de Belo Horizonte conseguiu se reorganizar.

Isso até Bruninho se deslocar para o saque. O RJX aproveitou o melhor momento e colocou cinco pontos de frente. Lucarelli e companhia bem que tentaram diminuir a diferença após um bom bloqueio sobre Thiago Alves. Os donos da casa, no entanto, mantiveram o bom ritmo e o placar favorável.
 
Depois de mais uma boa passagem de Bruninho pelo serviço, o RJX chegou a 20 a 14. Dileo, mais uma vez, precisou pedir tempo. De nada adiantou. O volume de jogo dos cariocas fez a diferença. Com isso, Lucão e companhia ganharam muitos contra-ataques. Resultado: vitória por tranquilos 25 a 18.
 
Vivo se recupera e prolonga o duelo
A vontade de prolongar a disputa fez o Vivo entrar com tudo no terceiro set. Em poucos minutos, o time da capital marcou 3 a 0. E poderia ter sido mais, mas os minastenistas exageraram nos erros. Dos quatro marcados pelo RJX, todos eles foram cedidos pelos visitantes (4/7).

O Vivo, porém, não se abalou com as próprias falhas e seguiu à frente. Insatisfeito, Fronckowiak pediu tempo com 6 a 11 contrários. Depois, optou por fazer a inversão do 5-1 com Guilherme e Da Silva em quadra. O RJX até diminuiu a distância, fruto do bom saque de Thiago Alves. Mas foi o Vivo que provocou a segunda parada com 16 a 13.
 
Guilherme e Da Silva fizeram um bom trabalho, e recolocaram o RJX no jogo. A torcida cresceu e passou a incentivar ainda mais os anfitriões. O Vivo, no entanto, não perdeu o rumo. Na segurança de Filip, o elenco de Minas Gerais segurou a pressão e trocou de lado pela primeira vez com a vitória.
 
RJX domina de ponta a ponta e fecha
Disposto a não prolongar o confronto, o RJX partiu melhor na quarta parcial. Mas o Vivo reagiu rápido e jogou o tempo todo colado no marcador. Ficou ainda melhor no erro de Bruninho na bola de segunda. Erro que levou os visitantes ao empate em 7. Dante, porém, acertou a mão para recolocar os donos da casa na dianteira.

Lucão também fez a diferença. E não foi apenas na rede. No saque, o central emplacou uma boa sequência e, com isso, o time do Rio de Janeiro abriu uma distância confortável. Dileo logo brecou o jogo (12/9). E fez muito bem. Os minastenistas cresceram em quadra e alcançaram os fluminenses no 15º tento.
 
Theo e Lucão, no entanto, frearam a empolgação do outro lado. Para piorar, os comandados de Dileo falharam em fundamentos básicos, como passe, ataque e recepção. Com isso, o RJX deu passos firmes rumo à reabilitação. E foi no erro de Maurício no saque que a turma de Bruninho comemorou o triunfo. Dante ainda foi eleito o MVP.  

Fonte: Saque Viagem

Nenhum comentário:

Postar um comentário