segunda-feira, 11 de março de 2013

Superliga Feminina Semifinal: Rio bate Sesi de virada em dia de show de Ponteiras

A fisionomia serena contrastava com a das companheiras. Nem parecia que o Rio de Janeiro perdia. Nem parecia que estava ali uma menina de 18 anos, que ganhou o lugar no time titular depois que Logan Tom lesionou o tornozelo. Gabi teve tranquilidade de veterana, chamou a responsabilidade e foi peça fundamental na vitória de virada sobre o Sesi-SP no primeiro jogo da semifinal da Superliga, nesta sexta-feira, em São Paulo: 3 sets a 1, parciais de 23/25, 25/17, 25/20 e 25/16. De quebra, a jovem ponteira terminou como a maior pontuadora, com 19 acertos.
A segunda partida da melhor de três será disputada no dia 16, no Maracanãzinho. Se vencer novamente, a equipe carioca garantirá seu lugar na final da competição. 

O jogo
Dani Lins chamou, Elisângela disse "presente". Foi com os ataques perfeitos dela que o Sesi-SP começou a construir a vantagem no primeiro set. Não demorou para que Fabiana e Tandara pegassem carona e ajudassem a colocar uma ruga de preocupação na testa da equipe adversária. O Rio de Janeiro errava mais, não bloqueava como de costume, perdia oportunidades de contra-ataques e via as anfitriãs fugirem no marcador. A vantagem chegou a ser de quatro pontos (18/14). Bernardinho parava o jogo, orientava suas jogadoras. A líbero Fabi motivava as companheiras e pedia mais atenção. Gabi respondia. A jovem jogadora mostrava tranquilidade, apesar do momento difícil. Com ela, a equipe carioca encostou no marcador (23/22), levando preocupação ao técnico Talmo. As meninas mantiveram a calma e, com Tandara, saíram na frente: 25/23.

E queriam mais. Como o bloqueio do Rio de Janeiro não fechava a porta, o Sesi aproveitava para abrir 6/2. A facilidade foi se perdendo. Fofão & cia começavam a se ajustar na partida. O bloqueio passou a funcionar, as bolas de meio com velocidade também, e a virada veio: 10/9. O jogo do Rio de Janeiro passou a fluir, assim como o de Natália. Apesar de perder por 15/12, as donas da casa não perdiam o sorriso no rosto. Lutavam e conseguiam se aproximar novamente, ficando um ponto atrás. A boa passagem de Valeskinha pelo saque foi importante para fazer a vantagem crescer novamente (20/14). O set já tinha dono. E não era o mesmo do anterior: 25/17 para o Rio.

Volei Superliga - Sesi x Rio de Janeiro - Gabi (Foto: Miguel Schincariol/Adorofoto) 
                         Gabi brilha e ajuda o Rio a vencer o Sesi, fora de casa

O Sesi já tinha mais motivos para se preocupar. O adversário ganhou confiança e ainda contou com a boa entrada de Regiane no jogo, no lugar de Sarah Pavan. O bloqueio estava mais atento. O time estava mais ligado. Do outro lado, Dani Lins e suas companheiras sentiam. Talmo tentava reanimá-las, trocava peças, mas de nada adiantava. A recepção não funcionava bem e, a essa altura da partida, o Rio de Janeiro sobrava em quadra. Duas bobeadas fizeram Bernardinho pedir tempo. Na volta, o rumo foi corrigido, e o terceiro set garantido: 25/20.

O Sesi ainda acreditava. Passou a vibrar mais, começava a gostar do jogo. Aproveitou um erro de Fofão para fazer 6/5. As rivais tratavam de frear logo a reação. Passaram a marcar melhor Tandara e, rapidinho, abriram 12/7. Com tranquilidade, o Rio de Janeiro administrou a frente e fechou, sem sustos, o set e a partida, com um ataque de Gabi.
 maior pontuadora com 19 acertos, ao bom desempenho de Natália e à estratégia montada pelo técnico Bernardinho, que se valeu dos erros do adversário. Para a atacante, a atuação, que rendeu a ela o Troféu Viva Vôlei de melhor jogadora do confronto, é fruto de muita paciência. Segundo a própria Natália, de 23 anos, com a ajuda dos amigos, da família e da comissão técnica carioca, ela tem tido mais tranquilidade para jogar.
Natália võlei Rio de Janeiro x Sesi (Foto: Miguel Schincariol/adorofoto)Natália é eleita a melhor da partida contra o Sesi-SP (Foto: Miguel Schincariol/adorofoto)

- Estou conseguindo me entender um pouco melhor, estou entrando com mais calma, tendo mais paciência comigo, que acho que era o que eu estava mais precisando. O pessoal está me ajudando. Está vindo na hora certa. Eu sei que tem alguns momentos de altos e baixos durante a partida que preciso arrumar. Mas é trabalhar porque na outra semana tem outro jogo e, se Deus quiser, vamos ganhar - comentou, em relação ao próximo confronto, que acontece no sábado, dia 16 de março, às 10h, com transmissão da Rede Globo. O GLOBOESPORTE.COM acompanha em Tempo Real.

A líbero Fabi lembrou ainda que o trunfo do Rio de Janeiro foi jogar no erro do adversário. Se a equipe carioca errava muito no primeiro set, corrigiu os problemas com a orientação de Bernardinho, e deu a volta por cima. Nas etapas seguintes, começou a acertar as tentativas de ataque e os pontos de bloqueio.
Volei Superliga - Sesi x Rio de Janeiro - Fabi (Foto: Miguel Schincariol/Adorofoto)               Líbero Fabi diz que estratégia de jogar no erro do adversário deu certo 
 
Tenho certeza que elas estarão com ainda mais vontade no próximo jogo"
Fabi, líbero do Rio
- Montamos uma estratégia para marcar o jogo delas e hoje conseguimos. Tenho certeza que elas estarão com ainda mais vontade no próximo jogo. O time delas está muito motivado, pois vem de vitória em uma série muito disputada nas quartas de final. Hoje conseguimos diminuir o número de erros, o que nos possibilitou jogar com uma margem no placar a partir do segundo set - relatou.

O treinador do Sesi, Talmo, fez coro à líbero do Rio de Janeiro. Para ele, o saque forçado em cima de Tandara, que estava um pouco desatenta, foi um diferencial. Além disso, faltaram opções de jogadas para a equipe paulista a partir do segundo set.

- Começamos bem a partida, tivemos um volume bom de jogo. A partir do segundo set, depois do 6/3, a gente começou a dar muito ponto de erro. Ou saía para um ataque com um bloqueio bom delas, ou quebrava muito nosso passe. A gente não conseguiu dar uma ajustada e ter pelo menos duas opções. Era sempre uma opção e, ainda assim, essa opção muito fraca, em função de um saque com qualidade direcionado em uma posição que a gente não conseguia. Tiveram saques bons em cima da Tandara, que perdeu a concentração. Tem que acertar isso e saber que o time deles joga com os nossos erros - concluiu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário