terça-feira, 9 de abril de 2013

Superliga: Atletas aprovam o auxílio eletrônico na decisão da Superliga feminina


No maior clássico do vôlei brasileiro, uma inovação. Na nona final seguida entre Rio de Janeiro e Osasco, a Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) usou pela primeira vez um recurso eletrônico na tentativa de diminuir os erros durante a partida. Na conquista do título da equipe carioca, 16 câmeras espalhadas pelo ginásio do Ibirapuera auxiliaram a arbitragem. E, em quadra, a novidade também agradou às jogadoras.

Durante a final, as duas equipes só não usaram o recurso no tie-break. Campeã com o Rio de Janeiro, Fabi aprovou a novidade. Para ela, o auxílio tecnológico aliviou a pressão sobre a arbitragem.

- Foi boa a iniciativa de tentar de fazer um jogo justo, honesto. Até houve um lance que mudou a marcação do árbitro. O que vier para fazer com que o jogo seja limpo é bacana. Ainda faltam alguns ajustes, porque o pedido de desafio pode ser encarado como uma maneira de esfriar o jogo. Foi superválido. Não atrapalhou a partida em nenhum momento. Os árbitros dividiram a pressão com a parte tecnológica. É uma tendência de todos os esportes. Sou completamente a favor.

Sheilla já havia experimentado a tecnologia durante o Mundial de Doha. Apesar da derrota na decisão, a oposto também aprovou a novidade e sugeriu outras mudanças na tentativa de diminuírem os erros de arbitragem.

- Isso tem no tênis há muitos anos, jogamos o Mundial assim. Os jogos não podem ser definidos assim, por erro de arbitragem. Eles (árbitros) não conseguem ver tudo, são humanos, então podem errar. Em um jogo decisivo, principalmente. É mais difícil, mas poderiam valer outros desafios, como toque no bloqueio, essas coisas. Mas eu acho legal.

O recurso eletrônico, importado da Polônia, foi usado pela primeira vez no país. A tecnologia, que conta com o aval da Federação Internacional de Voleibol (FIVB), funciona como “olhos eletrônicos” dos árbitros. Sistemas parecidos para tornar o esporte mais justo e evitar que erros humanos de arbitragem prejudiquem uma equipe ou atleta já são usados em outros esportes, como tênis, futebol americano e na NBA. Uma estação de vídeo foi montada próxima à mesa de controle da arbitragem e recebeu imagens de 16 câmeras especiais, posicionadas estrategicamente para capturar lances dúbios em todas as linhas da quadra e também possíveis invasões por cima e por baixo da rede.

fonte: GloboEsporte

Nenhum comentário:

Postar um comentário