terça-feira, 9 de abril de 2013

Superliga: CBV muda ranking da Superliga Feminina e contraria clubes


– Cabe à CBV (Confederação Brasileira de Vôlei) avaliar as diferentes opiniões dos clubes e definir o melhor para a competição, mas sempre com o aval dos clubes.

Assim o superintendente da CBV, Renato D‘Avila, explicou como a entidade define o ranqueamento da Superliga. Nesta terça-feira, no entanto, a CBV divulgou o ranking para a temporada feminina de 2013/2014 contrariando decisões dos clubes definidas na assembleia do dia 25 de fevereiro.

Na reunião, os clubes decidiram que a central Adenízia, a levantadora Dani Lins e a ponteira Fernanda Garay, todas campeãs olímpicas em Londres-2012, passariam de seis para sete. A CBV, porém, só aumentou o ranking da última jogadora.

Com isso, o Sollys/Nestlé terá que dispensar uma atleta de sete pontos: ou oposto Sheilla, ou a central Thaísa, ou a ponteira Jaqueline ou Garay. Se ficarem com esta última, no entanto, na hora do somatório de pontos total da equipe, valerá os pontos da última temporada, no caso seis.

Embora os clubes tenham votado para que a canadense Sarah Pavan, da Unilever, não fosse sete, a CBV optou por colocar essa pontuação na atleta. Ela, no entanto, se ficar na equipe carioca, contará para o limite de três jogadores sete, mas não valerá nada no somatório total. É o caso parecido com o da cubana Herrera, que seguirá no Praia Clube, e valerá 6 pontos que é a pontuação de quando chegou a equipe.

E a central Walewska, que tinha pontuação sete, caiu para seis mesmo com todos os clubes, inclusive o Vôlei Amil, equipe da atleta, tendo votado pela manutenção do sete.

A CBV decidiu aumentar a pontuação da ponteira Tandara, do Sesi-SP, de cinco para sete. Já as ponteiras Mari e Paula Pequeno, que estão no exterior e eram sete, passam a valer cinco. Mas, como serão atletas repatriadas, ficarão zeradas para o somatório total da equipe.

O LANCE!Net apurou que os clubes ficaram insatisfeitos com as mudanças, alegando interferência do ex-presidente da CBV e hoje presidente da Federação Internacional de Vôlei (FIVB), Ary Graça.

Uma novidade apresentada pela entidade foi a bonificação para atletas mais velhas. A levantadora Fofão, de 43 anos, por exemplo, passou de sete pontos para um.

CBV e jogadoras não se reúnem
Prevista para a manhã de ontem, a reunião entre a CBV e um grupo de jogadoras para discutir mudanças na Superliga não aconteceu. O encontro, que contaria com a participação de Ary Graça, foi cancelado, segundo a entidade, pois nenhuma atleta compareceu. As jogadoras alegam que não foram avisadas. Em fevereiro, algumas atletas se reuniram com o dirigente. A reunião com os homens está confirmada para a próxima terça-feira.

O ranking de atletas do vôlei:
Criação e objetivo
O ranking foi implantado na temporada 1992/1993 com o objetivo de gerar equilíbrio entre os participantes. Para a edição 2013/2014, 119 atletas brasileiras e estrangeiras foram ranqueadas.
Pontuação e limitação
A pontuação de cada jogadora é determinada após indicação dos clubes e avaliação do gabarito técnico de cada atleta, sua carreira e desempenho nas últimas temporadas. Cada atleta recebe uma pontuação de 1 a 7. Uma equipe não pode ter um somatório de pontos inferiior a sete ou superior a 32. Cada equipe pode ter, no máximo, três atletas de pontuação sete. Para as demais graduações, a inscrição é livre, desde que não ultrapasse o limite de 32.
Novidade
As atletas que permanecem numa equipe, mesmo que sofram acréscimo de pontos, valerá para o somatório total do time a pontuação da temporada anterior. É o caso de Fernanda Garay.
Clubes formadores
A partir da categoria infanto-juvenil, as atletas que em sua carreira tenham tido vínculo de inscrição com apenas um clube ficam isentas de pontuação e ranqueamento para continuar neste clube. Esta bonificação valerá apenas para o somatório de pontos da equipe.
Repatriadas e estrangeiras
As jogadoras vindas do exterior têm pontuação zero para o somatório das equipes. Já as estrangeiras não são pontuadas para o somatório total do time desde que não tenham disputado a edição anterior da Superliga.
Bonificações
Jogadoras até 17 anos não são pontuadas. E as atletas com 36 anos ou mais ganham desconto de pontos de um a cinco pontos. Quanto mais velha, maior o desconto na pontuação.
fonte: http://www.lancenet.com.br/mais-esportes/CBV-clubes-ranking-Superliga-Feminina_0_898110322.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário