segunda-feira, 15 de abril de 2013

Superliga: Email bombástico de dirigente do Sada/Cruzeiro para a CBV

Por Daniel Bortoletto do Blog Saque do Lancenet:
"
O blog teve acesso a um email enviado, no domingo, por Vittorio Medioli, e empresário dono do Grupo Sada, que patrocina o Cruzeiro, aos dirigentes da CBV.
Ele critica abertamente a entidade e a forma com que a Superliga é dirigida. Medioli ainda reclama do poderio econômico de RJX e Sesi, que , segundo ele, monopolizam a base da Seleção e são privilegiados.
Em um texto repleto de ironias, diretas e indiretas (publicado na íntegra e sem correções gramaticais), o mandatário do Sada/Cruzeiro demonstra toda sua insatisfação.
Procurada, a CBV disse que sabia do teor do documento, mas não iria se pronunciar.
Prezados Ary, Renato, Fabio e demais dirigentes do vôlei nacional,
Parabéns a vocês da CBV. Atingiram todos os objetivos fixados para esta Superliga. Venceram, mesmo entre vitimas que terão, agora, que enterrar.
Deixo-lhes algumas ponderações tardias que deveria ter tido a coragem de fazer no ano passado, mas que a vitória e minha saúde me dissuadiram em fazer:
- 6 atletas de seleção num time com orçamento de R$ 17 mi
- 5 atletas de seleção num time com orçamento acima de R$ 12 mi que é mantido por contribuição sindical compulsória, por força de lei,  inclusive da minhas empresas. Recursos destinados legalmente e estatutariamente ao amparo social e educacional dos trabalhadores e de seus filhos.
- o trabalhador da minha empresa não torce pelo Sesi, torce pelo Sada; não é amparado pelo Sesi,  e se vê a disputar contra o SESI. Minhas empresas contribuem ao SESI por força de lei, nossos fundos são doações expontaneas e comerciais. Um patrocinador privado investe no que é sustentável,  não numa loucura sem parâmetro econômico e responsabilidade social, certamente não para enfrentar que tem recursos sem limites, desviados das finalidades constitucionais.
- CBV, com seus equívocos, conseguiu realizar uma divisão nítida no vôlei brasileiro. Um vôlei bilionário, estratosférico, sem compromissos com gastos,   que pode pagar mais que times russos, poloneses, italianos e arrematar toda a seleção; outro vôlei barnabé cujos patrocinadores, intimidados, fogem espantados por tanta irracionalidade.
- Os times por imposição de CBV/Globo  não possuem nome, quem decide o nome ridiculo do time é a rede que levou os direitos televisivos, sem pagá-los aos clubes. Pelo menos, pagasse para fazer o que quer!, mas é de graça.
- Não existe premiação de entrada e de resultado, nem direitos de televisionar. Se Não tem espaço na grade de programação, também não existe vontade de CBV se acordar com mais canais de tevê (mesmo de graça como é com a rede Globo (?), unica titular. Globo cobra para ceder a transmissão para outros canais?
- Nem meu time, dispondo do atrativo de títulos nacionais e internacionais conseguiu algum patrocinador. Perdeu ou BMG que pagava suadamente R$ 600 mil por uma temporada inteira. Não se sentiu retribuido pelo titulo mineiro, nacional, Sul Americano!  Imagine os demais times o que podem esperar nessa situação.
- a final da Superliga se disputa numa manha de domingo. A grade não permite outra solução. A rede de tevê determinou, ponto final. No exterior é a melhor de 3 ou de 5 jogos, aproveitando a importância da decisão para dar retorno aos patrocinadores e satisfação aos torcedores, vender camisas, dar visibilidade a quem investe.
- CBV distribui ajudas ao clube que quiser, sem transparência, impessoalidade e proporcionalidade, deveres de uma entidade que recebe recursos públicos?
- Bancos patrocinadores que investiam no vôlei, não investem mais em atletas e quadras, forrados de BB. BB não dá nada aos clubes.
- Os patrocinadores da Superliga e da Seleção são os mesmos. Pagam para patrocinar a Seleção e levam a Superliga de troco. Nisso os times nada recebem.
- Hoje no final do jogo, na tevê, os comentaristas comemoravam que agora começa o circuito mundial . “ACABOU” Superliga, até com regozijo. Rio se consagrou o templo do vôlei do dinheiro. Unilever+Sky e EBX.
- Ficarão em quadra durante os próximos 5 meses, apenas 12 atletas milionários de 2 clubes apenas, enquanto 300 atletas e centenas de técnicos  estarão sem remuneração, perdendo apartamentos, e vivendo uma agonia cíclica de 6 meses de inatividade absoluta e constrangedora.
- Ao escutar esse triunfalismo me deu vontade de chorar, sabendo o que isso significa para o mundo do vôlei, centenas de famílias na inseguranças e de jovens na desorientação.
- o próximo jogo do Sada será em final de setembro ou outubro, depois de 6 meses de inatividade. Pagaremos salários e despesas de 20 atletas e técnicos profissionais, aguardando que CBV reinvente a cada ano uma nova ilusão de Superliga, rejuntando os cacos dos cacos da anterior.
- os clubes são culpados. Acreditam em papai Noel.
- Os patrocinadores não atenderão ao telefone dos clubes até outubro. O clube se desintegra por inercia, por “não existir” durante 7/8 meses, por não ter o que fazer.
- Insisto na tese de alguns analistas desse mundo do vôlei que culpam o equivocado projeto do Sesi/SP – que deveria investir suas verbas de forma impessoal e  proporcional para filhos de trabalhadores e seu lazer. Gerou-se com a invasão um vôlei milionário, disparatado,  no meio do vôlei tupiniquim no qual Cimed fazia sucesso e formava atletas.
- Havia um campeonato “Paulista” tão importante e disputado quanto Superliga. Entrou Sesi e em  São Paulo o vôlei enfrentou uma rápida decadência, os times foram desmantelados: SBC, Pinheiros, Volei Futuro, São Caetano, Santo André, Medley e, fora de SP, o glorioso Cimed mais meia duzia desistiram de sobreviver.
- Quem faz as contas antes de entrar em disputa e considera a existência do Sesi e de seu orçamento galático  desiste de competir, só tem direito em sonhar num bronze. SESI pode pagar 2 vezes mais de quanto um time russo oferece e 3 vezes mais de quanto um primeira linha do Brasil consegue. O RJX, nem se fala, será campeão pelo resto da decada, pois Sesi usa mal seu dinheiro..
- a falta de competitividade assola a Superliga, nunca será um torneio de grande importância que possa beneficiar um numero maior de pessoas e levar grande alegria aos jovens e torcedores. É um modelo sem sustentabilidade, eivado de absurdos.
- Depois de 4 temporadas de Sesi, o que sobrou? O RJX, com 50% mais de orçamento (!) do  que o próprio SESI. Os atletas da seleção se dividem entre eles. A próxima Superliga já tem finalistas decididos e campeão garantido.
- Mais logico a CBV pedir ao Senat, Senai, Sesc, Senar, Sest, Sebrae, Sescoop, IEL, Abdi, Apex,etc disputar entre si uma Superliga Sindical  milionária com 100% de atletas da seleção.  O jogo vai ficar mais parelho, mais justo, mais competitivo entre iguais que pode usar dinheiro de contribuições sindicail compulsória como metralhadora.
- como amante do vôlei segurei minhas lagrimas várias vezes, frente a tantas incongruências,  achando que Deus premiaria sempre quem disputa com o coração e com esportividade, mas o vôlei do dinheiro sem limite chega a ser imbatível.
- Os clubes são frágeis e, mais devastados ficam, ao fim de uma Superliga como essa que sagrou a “seleção brasileira” campeão do torneio do tostão contra o bilhão. Absurdo e irreal.
Vittorio Medioli (sem revisão)"

Será que dessa forma a Superliga continuará sustentável  por quantas temporadas? Duas?Três? E quando o Sesi ou RJX desistirem de investir, qual time vai pagar o que eles pagam? Acredito que jogadores da Seleção irão para o exterior e o nível acabará caindo. Qual a opinião de vocês?

3 comentários:

  1. Embora o Cruzeiro não tenha jogado nada na final, o time do RJX era um super mega time, Dante, Thiago Alvez, Theo, Mario Jr, Bruninho, Lucão e Riad (que não é da seleção brasileira; mais é o Brasileiro que tem mais titulos fora do pais.
    Chega de super time, nenhum patrocinador vai ficar investindo em um time que nunca se vê resultado algum!
    a SuperLiga tem que ser mais competitiva!

    ResponderExcluir
  2. Fico triste com a verdade q leio, principalmente pq sei q a CBV realmente nao e transparente, usa criterios nada claro, e so temos um estadual e a superliga, deveriamos ter outra competicao, e claro trocar de emissora pq e ridiculo passar no domingo a tarde botafogo e nova iguacu e colocar a final do volei de manha, arrasou.

    ResponderExcluir