domingo, 7 de abril de 2013

Superliga: Unilever protagoniza virada histórica e é octa

Se a final entre Sollys/Nestlé e Unilever já virou um repeteco multiplicado por nove, o mesmo não se pode dizer da festa preparada pela CBV para a grande decisão da Superliga feminina, neste domingo (7), em um lotadíssimo ginásio do Ibirapuera.

Com direito a muitas cores, o inédito evento foi cheio de pompa, à altura do maior clássico do vôlei mundial. Foi um aquecimento luxuoso para o confronto mais esperado da temporada. Mais do que isso. Foi o cenário perfeito para o time de Bernardinho encarnar a fênix e mostrar que não venceu tantas Superligas à toa.

Após ser dominado pelo elenco de Osasco nos dois primeiros sets, o representante do Rio de Janeiro fez o que parecia difícil: trocou de papel nos três seguintes e fechou o espetáculo em 3 sets a 2 (22/25, 19/25, 25/20, 25/15 e 15/9). Placar que fez explodir o festejo dentro de quadra e em metade do Ibirapuera tingido pelo azul e branco

Com a virada histórica, as meninas de Bernardinho se tornaram pela oitava vez o melhor time do País. Além disso, aumentaram a diferença de títulos para o maior arquirrival, que estacionou em cinco. E, para ficar ainda melhor, garantiram um lugar no Sul-americano de Clubes.

                                                                                             Préu Leão

Unilever não se entrega e vira para cima do Sollys

Sollys saca melhor e leva o primeiro set
Como é normal em decisões, as duas equipes tiraram a pressão do jogo cometendo erros nos dois primeiros pontos. Depois disso, é que se pôde ver o voleibol de verdade, mas só de um lado da quadra. O Sollys mirou todo o arsenal de saque na jovem Gabi, que disputava sua primeira final de Superliga. E a estratégia deu certo. A substituta de Logan Tom ficou muito exposta na linha de passe e não segurou a pressão.

Com uma sequência de Sheilla no serviço, o Sollys abriu dois pontos (5/3). A Unilever seguiu cometendo erros, o que facilitou o jogo para as laranjas, que foram para o primeiro tempo obrigatório com 8 a 5 de vantagem, após bom saque de Fabíola. Na volta, a levantadora de Osasco continuou servindo, o que foi fundamental para o marcador pular para 10 a 5.

Depois do tempo pedido por Bernardinho, houve a utilização do primeiro “desafio”. Sheilla atacou, e a arbitragem marcou toque na rede, mas Jaqueline não acreditou e solicitou o tira-teima. O Sollys estava correto e levou o ponto (12/6). A vantagem de quatro tentos se manteve até o segundo tempo técnico. As orientações do técnico fizeram efeito, e a Unilever voltou com outra postura para a quadra.

O bloqueio carioca cresceu e a recepção ficou mais segura, o que permitiu uma reação do time azul, que empatou em 16, aproveitando a boa passagem de Jucy no serviço. A desconcentração tomou conta de Jaqueline e companhia, que tiveram de ouvir broncas de Luizomar. A partir deste momento, o jogo ficou mais equilibrado, o que levou emoção à partida, e os erros das equipes foram fundamentais na formação do placar. Melhor para o Sollys, que aproveitou as chances de contra-ataque e fechou em 25 a 22.

                                                                                             Préu Leão

Sollys começou a partida melhor que as rivais

Bloqueio laranja cresce, e Sollys faz 2 a 0
O começo do segundo set foi diferente do primeiro, uma vez que o equilíbrio pairou em quadra, tanto que a primeira vantagem de dois pontos veio somente quando Adenízia aproveitou uma bola de xeque (6/4). Mas o empate em 7 não demorou a aparecer, uma vez que a Unilever passou a se virar melhor na defesa. O Sollys foi para o primeiro tempo obrigatório com um tento de vantagem, aproveitando o erro de Pavan no saque.

Na volta, as paulistas deslancharam, muito graças à boa atuação do bloqueio, que cresceu de um set para outro. Mas a Unilever não desistiu e mostrou outra reação. A equipe azul saiu de um placar desfavorável de 14 a 9 para 14 a 12 ao explorar melhor os contra-ataques. A vantagem voltou para quatro pontos, depois que Natália parou no bloqueio laranja (16/12). Porém, o time do Rio de Janeiro não se desesperou e se manteve na cola.

Depois que Sheilla colocou fim a um longo rali, a Unilever solicitou o "desafio", alegando toque na rede do adversário. Mas os juízes constataram que a jogada do Sollys foi regular, e o placar foi para 18 a 15. O paredão laranja seguiu funcionando e atormentando as atacantes fluminenses (20/16), assim como o grande potencial de concentração das paulistas, que pouco erraram. E o 25º ponto não poderia ser diferente: Fabíola, com um bloqueio, parou uma bola de xeque da Unilever (25/19).

                                                                                             Préu Leão

Sollys abriu 2 a 0 e se aproximou do título

Unilever melhora e segue viva

A pressão pelo resultado fez bem à Unilever, que voltou com a recepção e a concentração melhores, o que a fez liderar o placar pela primeira vez no jogo (4/6). A vantagem de dois tentos seguiu até o primeiro tempo técnico, após a equipe fluminense se dar bem em um “desafio” solicitado pelo Sollys, que alegou que o ataque de Pavan havia sido fora.

O Sollys não se intimidou e recuperou a concentração. Depois de voltar da parada, o setor defensivo das osasquenses permitiu que Fê Garay brilhasse no contra-ataque. Assim, elas foram a 10 a 9, obrigando Bernardinho a parar o jogo. A opção deu certo, pois na volta o Sollys cometeu dois erros seguidos, e a Unilever voltou a liderar (10/11).

A vantagem azul aumentou ponto a ponto, uma vez que as cariocas mostraram um bloqueio bem postado, que tocou em várias bolas. Com o contra-ataque em ordem e sem o Sollys manter o ritmo forte, a Unilever foi a 12 a 16. Depois do tempo técnico, a levada do jogo se manteve a mesma, com as osasquenses correndo atrás e as cariocas não dando chance (13/18).

Com a vibração em alta, Natália cravou a bola no chão rival e levou o placar para 16 a 21, soltando o grito de desabafo preso na garganta. Mas o Sollys não se escondeu do jogo e obrigou Bernardinho a pedir tempo antes que o caldo desandasse de vez: Jaqueline virou duas bolas seguidas e fez 20 a 22. A parada caiu bem, e a Unilever fechou o terceiro set com um bloqueio de Valeskinha em Sheilla (20/25).  

                                                                                                         Préu Leão

Unilever venceu o terceiro set e se manteve viva no jogo

Unilever atropela apático Sollys e força o tiebreak
A vitória deu uma injeção de ânimo na Unilever, que voltou massacrando no quarto set. Por outro lado, o Sollys não recuperou a concentração, e, com um bloqueio em cima de Garay, Luizomar logo queimou o primeiro pedido de tempo (2/4). Em vão, pois na sequência a ponteira invadiu por baixo e nem o tira-teima provou o contrário (2/5).

A virada de bola das paulistas caiu bruscamente de rendimento, o que fez o treinador colocar Ivna no lugar de Sheilla. Mas nem assim as coisas melhoraram. A Unilever seguiu com o ritmo forte, mostrando boas defesas e contra-ataques contundentes com Pavan, o que levou o placar para 3 a 10.

E foi depois de um ataque para fora de Thaísa que a Unilever fez 6 a 16. A vantagem se manteve e até aumentou, ao passo que as fluminenses souberam explorar bem a falta de confiança das rivais. E com um saque para fora das laranjas, a equipe azul levou o jogo para o quinto set (15/25).

                                                                                     Préu Leão

Fofão e Fabi lideraram a reação

Unilever vence tie-break e é octa

A vibração em quadra e a precisão nas jogadas permaneceram ao lado do time carioca. Em contrapartida, a situação do Sollys piorou ainda mais, pois as rivais se aproximavam a passos largos da vitória. O bloqueio da Unilever se transformou em um paredão, e as jogadas de ataque do Sollys não surtiram efeito.

Nem Sheilla botou medo no setor defensivo da Unilever, que deu grande volume ao jogo e levou firmemente o jogo ao fim. E foi depois de um contra-ataque efetivo de Natália que o time azul gritou "é campeão''. A camisa 12 não deu chances para o Sollys e fechou o set em 15 a 9.

                                                                                            Préu Leão

Cariocas são premiadas como melehor time da temporada 2012/13
fonte: SaqueViagem

Nenhum comentário:

Postar um comentário