terça-feira, 23 de julho de 2013

Vôlei Internacional: "Caso Kim" entra em mais um triste capítulo para a jogadora.

Mais um capítulo da novela que envolve a ponteira coreana e MVP dos Jogos de Londres. 
Desta vez a história começa a tomar rumos mais perigosos da jogadora que está cansada da burocracia e das atitudes do seu ex clube o Heungkuk. 
Para entender melhor a história que começou no ano passado quando o clube ordenou a volta da ponteira coreana ao seu elenco (após uma temporada espetacular no Fenerbahçe), já que ela ainda tinha contrato com clube. Porém Kim não aceitou e renovou seu contrato com o Fenerbahçe por mais uma temporada, apesar de toda a resistência que teve de sua antiga equipe.
Esse ano as coisas pioraram e a jogadora foi acusada pelo clube juntamente com a KVA (Federação Coreana) e a KOVO (Liga Coreana) de quebrar regras contratuais. A jogadora entrou com pedido formal de ajuda na FIVB, e se colocou diante da mídia coreana para explicar o fato. 
Para piorar a situação, a KVA ainda quis que a jogadora se apresentasse a seleção para cumprir os compromissos do ano. Ela se recusou dizendo que não irá jogar pela seleção até que a sua situação seja resolvida. 
Com o clube entrando e a KVA contra, a jogadora ela está teoricamente "presa" na Coréia já que é a KVA que libera o documento para a FIVB que permite que a jogadora dispute outras ligas. E a situação só piora, já que agora a KOVO também acionou a jogadora que além de estar proibida de jogar fora do país, está também proibida de jogar a própria Liga Coreana. 
Com isso Kim anunciou que se a sua situação não for resolvida e se a KVA não liberar sua documentação ela se aposentará do vôlei. A única saída para que Kim consiga jogar com a sua documentação presa na Coréia é se naturalizando, mas ela deixou bem claro que deixar de ser coreana está fora dos seus planos e como o governo coreano não permite que um cidadão tenha dupla cidadania ela teira que pedir autorização toda vez que fosse entrar no país.
Para não ter que se aposentar do vôlei e ser liberada pela KVA , pela KOVO e pelo Heungkuk ela ainda pode entrar com um processo na Corte Arbitral do Esporte, onde provavelmente ganharia o caso. Os fãs do vôlei também estão se reunindo e fazendo uma petição por meio da internet para ajudar a jogadora a lutar contra essas injustiças. Segue o link http://www.ipetitions.com/petition/letkimykfree/
fonte :voleiinternacional

Nenhum comentário:

Postar um comentário