sábado, 31 de agosto de 2013

Grand Prix: Brasil vence "Novo time Servio" e garante medalha em Sapporo

O Brasil vai dormir neste sábado (31) com pelo menos a medalha de prata do Grand Prix garantida na bagagem. A condição foi conquistada após a vitória para cima da Sérvia, que preferiu poupar suas principais estrelas e tomou 3 sets a 0, parciais de 27/25, 25/21 e 25/22. 

Sheilla, com 19 pontos marcados, foi o principal destaque individual do elenco sul-americano, que encontrou muita dificuldade para encaixar o jogo diante das reservas de Brakocevic, Mihajlovic, Ognjenovic, Rasic, Krsmanovic e Cebic, espectadoras de luxo neste quarto dia da Fase Final.

E a cor do metal pode até mudar logo mais. Caso a China não passe pelo Japão, as comandadas de Zé Roberto já garantem o eneacampeonato com uma rodada de antecedência. Isso porque as brasileiras somam 12 pontos, quatro a mais que as comandadas de Lang Ping.

Do contrário, Brasil e China disputam o título no encontro deste domingo (1), às 3h30 (de Brasília), em Sapporo. A Sérvia, por sua vez, briga por um lugar no pódio diante da Itália, a partir da 1h30.


                                                                                                                                                                                                                                                                                          Divulgação/FIVB

Brasil teve dificuldade para jogar com reservas da Sérvia

Sérvia surpreende com reservas e dificulta a vida do Brasil
Se a expectativa era encarar Brakocevic, Rasic e Mihajlovic, o Brasil teve que mudar toda sua preparação ao se deparar com as reservas da Sérvia na formação inicial. As mudanças de Zoran Terzic complicaram o jogo das brasileiras, que tiveram trabalho para virar e, mais do que isso, marcar as oponentes.

Após tomar 4 a 8, o Brasil emplacou boas sequências no bloqueio para igualar em 9. As europeias, no entanto, voltaram a escapar no placar. E foi com mais um ataque fulminante de Bjelica, maior nome do set, que a diferença chegou a três tentos. Zé Roberto não gostou e tratou de queimar o segundo tempo (11/14).

Inspirada, a substituta de Brakocevic continuou a levar vantagem sobre a defesa amarela. Mas, aos poucos, as jogadoras passaram a interpretar melhor o jogo das reservas. O grupo, assim, cresceu de rendimento e chegou ao empate no 18º ponto. No trecho final, Fernanda Garay não aliviou o braço e levou a seleção a 27 a 25.

                                                                                                                                                                                                                                                                                          Divulgação/FIVB

Sérvias deram trabalho para as líderes do torneio

Seleção encontra menos resistência e abre 2 a 0
O Brasil aproveitou a parada entre os sets para entender o jogo das reservas da Sérvia. E foi recompensado por isso. Melhor no saque, bem como no bloqueio, o sexteto de amarelo criou uma gordura confortável já nos primeiros minutos. Nem Bjelica conseguiu repetir a boa atuação. Foi o necessário para Terzic apertar o botão do tempo.
As orientações, porém, não mudaram os rumos do jogo. O Brasil manteve a postura agressiva no bloqueio, o que tirou a confiança de Bjelica e companhia. Mas as sérvias voltaram a apertar antes mesmo da segunda parada obrigatória. Em parte, por culpa dos erros de recepção e ataque das brasileiras, o que provocou o pedido de tempo de Zé Roberto.

A equipe reagiu bem à chamada de atenção e recuperou o fôlego. E a distância só não ficou mais folgada porque a recepção deixou Dani Lins vendida em algumas passagens. As azuis, porém, se mostraram solidárias e devolveram os erros. Gabi e companhia aproveitaram muito bem para finalizar em 25 a 21.

Entre altos e baixos, Brasil fecha a parcial

Embalado com a vantagem de 2 a 0, o Brasil impôs 5 a 3 sobre a Sérvia no início do terceiro set. As meninas de Terzic, no entanto, não jogaram a toalha e foram à caça das brasileiras. E tudo ficou mais claro com um bloqueio preciso na rede, fundamento que fez as europeias saltaram para 8 a 5.

Mas Sheilla tratou de acabar rápido com os sorrisos das oponentes. Com bons ataques, a oposta carregou a seleção até a virada. Gabi, Garay e Fabiana também viraram bolas importantes. Não bastasse, Bjelica e companhia cometeram mais erros, ajudando as sul-americanas a provocarem a parada com 16 a 13.

O duelo voltou a ficar difícil depois do tempo técnico. Preocupado, Zé Roberto chamou o grupo para uma conversa. Na volta à quadra, Sheilla mostrou disposição de sobra para bater as bolas decisivas. Gabi também não aliviou o braço e, com a coragem de sempre, deu números finais ao duro set, encerrado em 25 a 22. Sheilla foi escolhida a MVP.
Fonte: Saque Viagem 

Nenhum comentário:

Postar um comentário