segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Raio X: RIO do SUL



Rio do Sul –  O representante do vôlei do Sul do País

VIBRAÇÃO E ALEGRIA! Talvez estas sejam as palavras de ordem das jogadoras desse time, o único representante do voleibol do extremo Sul do pais mostra em quadra que o amor pela profissão e o esporte supera qualquer adversidade. Talvez com o time de investimento mais modesto da Superliga o Rio do Sul,  assim como seus torcedores, é um time carismático que lota seu ginásio e alegra a sua torcida. Para próxima temporada a ordem é manter o “bom resultado” , pelas suas condições, e chegar a mais um play off de Superliga.


Time do Rio do Sul para temporada 2013/2014

Técnico: Rogério Portela é o mais fiel representante do voleibol catarinense, dirigindo os times de Brusque e Pomerode o professor de Educação Física que tem 10 anos de experiência em comissão técnica está a frente do projeto a três anos.

Time Titular: Levantadora: Jordane (1,78, 1985) Com passagens por times como os extintos Volei Futuro e Macaé, e vinda de São Caetano a canhotinha Jordane é uma jovem e talentosa levantadora que chega no Sul para reforçar a equipe.
Oposta: Arianne (1,79, 1989) Irmã da levantadora Jordane, Arianne é uma oposta Canhotinha e muito habilidosa, depois de passar um tempo fora da superliga está de volta pronta pra mostrar o seu entrosamento em quadra.
Central 1: Edna (1,87, 1983) Edna já é velha conhecida no cenário nacional a experiente jogadora é uma eximia representante do vôlei do Sul do país, ao longo de sua carreira com passagens pelos principais times nacionais como Rexona , São Caetano Blausigel e  Brusque a central que tem a mão pesada no ataque é o ponto de referencia nesse time.
Central 2: Paula Barros (1,87, 1982) Foi nos times da Capital paulista que Paula Barros ficou conhecida no cenário nacional como em Pinheiros e no Banespa, após se mudar para o Sul a experiente central divide junto com sua companheira de posição Edna a responsabilidade de passar sua experiência e ser referencia para as mais novas.
Ponteira 1: Cecilia Menezes (1,81, 1982) ou apenas Ciça como ficou conhecida no cenário nacional é uma jogadora versátil e experiente, braço forte sempre foi sua principal característica, depois de uma temporada sem atuar no time de Pinheiros em São Paulo Ciça vem disposta a recuperar o seu melhor nível de voleibol.
Rido do Sul no campeonato Catarinense
Ponteira 2: Natiele (1,79, 1991) Foi no extinto time de Macaé que Natiele se destacou e teve visibilidade no cenário nacional, seus ataques potentes e sua variação de golpes são suas principais características, depois de uma passagem regular por São Caetano Natiele chega ao Sul com a responsabilidade de virar as bolas mais complicadas para o time Sulista.
Libero: Marcia (1,70, 1980) Marcinha como é conhecida é uma jogadora experiente e tem passagens por vários times da superliga, depois de uma temporada no ABC Paulista a boa defensora chega ao sul para comandar o fundo de quadra.

Time Reserva: Levantadora: Jacqueline (1,80, 1986) Jacque é uma jogadora vibrante e muito ousada, conhecida por seus ataques de segunda e por sua raça a levantadora vem se revesando no levantamento com Jordane e essa briga promete ser boa. Oposta: Fernanda Melo (1,80, 1987) Habilidosa e e boa defensora Fernanda vem brigar de igual pra igual com Arianne pela posição de titular. Ponteiras: Vanessa Janke (1,83, 1991) Vanessa é a tradicional ponteira de fundo de quadra, com várias atuações como libero da equipe ela parece ser o coringa de Rogério Portela no saque e no passe, também é muito inteligente na virada de bola, dependendo da composição da equipe é peça fundamental no esquema tático. Priscila (1,81, 1987) Priscila é uma boa jogadora de composição, boa no ataque e defesa e regular no passe a jogadora revelada na liga nacional pelo time de Piracicaba vem pra sua segunda temporada defendendo as cores do time do Rio do Sul.
Centrais: Camila (1,84,1985) Camila Paracatú é uma jogadora versátil e de bastante vibração, tem um bom bloqueio e uma boa variação de ataque, as vezes joga como oposta, infelizmente apuramos que Paracatú teve uma séria lesão no joelho e pode não estar apta a disputar a fase regular da liga, o que nos resta é torcer pra sua melhora. Libero: Andressa (1,74, 1987) cria do vôlei do Sul Andressa tem se revesando com Marcinha no posto de titular no time.

Quem Chegou? Jordane (São Caetano), Natiele (São Caetano), Ciça (Pinheiros), Marcinha (São Caetano) Arianne (liga nacional). Andressa.

Quem Continuou? Vanessa, Edna, Camila, Paula, Priscila, Fernanda.

Ultima Superliga: Foi pelos braços das ponteiras Elis e Neneca que o Rio do Sul acabou se sagrando campeão de alguns jogos e se destacando em algumas rodadas da Superliga, chegando pela primeira vez na historia na fase de play offs, desbancando times mais tradicionais como São Caetano e São Bernardo, porém encarou o Unilever nas oitavas e foram eliminadas, felizes pelo resultado alcançado pelo time.

Edna - Central Rido do Sul
Destaque: Edna, sem Neneca e sem Elis para próxima temporada e com um time renovado o destaque na virada de bola, na experiência e no comando do time fica a cargo da experiente central que como já citamos tem um ataque rápido e potente e uma boa marcação de bloqueio.

Pontos Fortes: O Rio do Sul possui um time muito aguerrido na defesa, talvez essa seja a principal característica do time em quadra, a habilidade de suas jogadoras também é um fator a ser considerado, e não podemos deixar de citar aqui a sua torcida apaixonada, que nesse caso em especifico podemos notar na temporada passada que faz muita diferença para o time que joga mais alegre e determinado quando está em casa.


Vibração e Alegria é o ponto característico do time
Pontos Fracos: Quando nos deparamos como time sulista logo podemos perceber um fator: a baixa estatura das suas atletas é o ponto mais fraco dessa equipe, que não possui nenhuma jogadora com mais de 1,90, indo de contra partida com o cenário nacional e internacional, logo o bloqueio fica muito prejudicado e a virada de bolas “altas” também, outro fator negativo que podemos destacar é o baixo poderio de ataque e a inconstância de algumas jogadoras.

O que esperar do Rio do Sul?: Esse talvez seja um dos times que possui os menores investimentos para a temporada,  porém isso não é um fator que desanime o time que como já citado tem em sua alegria e vibração os pilares para dar forças na competição. Para essa temporada o time perdeu suas estrelas, mais se reforçou com jogadoras experientes e versáteis que podem dar a base pra que o time continue jogando de igual pra igual com seus concorrentes diretos e que incomode os grades clubes. O time tem por meta chegar novamente aos play offs, feito complicado pelo numero de participantes da Superliga (14) e pelo investimento das outras equipes, mais nada é impossível quando o time tem uma torcida e uma alegria como a dos Catarinenses. 

Estrutura: A equipe catarinense joga no ginásio Artenir Werner, que tem capacidade para 1.500 pessoas e conta com o apoio da prefeitura e da torcida para conseguir recursos e melhores condições de treino e deslocamento na competição. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário