quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Sul-Americano: Crítica da Sheilla às condições do vôo ao Peru geram mal-estar entre a CBV e a bicampeã olímpica


  Para competir o Sul-Americano, as jogadoras bicampeãs olímpicas viajaram para o Peru na classe econômica. Essa situação gerou muita revolta entre as estrelas do time, que não deveriam viajar na classe econômica, já que o espaço para as pernas não é suficiente. Após o primeiro ouro olímpico, foi acordado entre elas e a CBV que as viagens da seleção seriam feitas na classe executiva, para maior conforto das atletas. A oposto Sheilla publicou em uma rede social que era um absurdo o que estavam passando, e outras jogadoras, como Thaísa e Fabiana, reforçaram o protesto.

Em entrevista ao portal esporte.uol, uma pessoa influente da CBV que não se identificou disse que a revolta deveria ter sido levada a quem pudesse resolver a situação, e não exposta a público. Disseram, ainda, que os vôos na classe executivos deveriam acontecer para caso de viagens intercontinentais, não em uma viagem ao Peru.

Sheilla, retrucando, disse em seu Twitter que elas viajaram de classe executiva na última vez que foi ao Peru.

- Última vez que viemos ao Peru foi de executiva, temos o comprovante do vôo!!! - exaltou a atleta.

Não se tem certeza se a reclamação provém exclusivamente dessa situação, ou se essa já é a gota d'água  para um série de insatisfações com o comando da CBV pós saída do atual presidente mundial da FIVB, o brasileiro Ary Graça, da presidência da entidade brasileira.

Um comentário:

  1. Que se crie outra regra básica na CBV: Bicampeãs olímpicas só devem viajar de 1° classe! Sempre! Elas merecem! Ñ é fácil ganhar das russas, norte americanas, servia e etc, e ainda ficar encolhidas em viagens. Afinal, um pouco de bom senso CBV! São mulheres altíssimas, com pernas acima de 1 metro de comprimento que devem ser tratadas bem para que ñ haja possibilidade de contusões como aconteceu com Vissotto, na liga mundial passada. Cadê o profissionalismo e a excelência na administração de nosso vôlei? Cadê a valorização de que trabalha em quadra para os excelentes resultados? CBV, vc quer que Sheila, Fabizona e Thaisa fiquem descontentes? Creio que ñ é bom negocio! Afinal, ñ existem substitutas à altura destas, nem no Brasil, nem no mundo. Devem ser tratadas como rainhas! Ñ só pelos fãs, mas pela CBV também! Merecem estátuas! Devem ser cultuadas para que seu legado seja sempre lembrado para incentivar a formação de novas jogadoras e, assim, perpetuar o Brasil nos pódios. Afinal, ñ é isso que vc quer CBV?

    ResponderExcluir