domingo, 19 de abril de 2015

Superliga: Diferenças e semelhanças entre Gabi e Carcaces


Decisivas, pontuadoras e atuando na mesma posição, Gabi, do Rexona-Ades (RJ), e Carcaces, do Molico/Nestlé (SP), são ponteiras importantes para os finalistas da Superliga feminina de vôlei 14/15. No confronto do dia 26 de abril, às 10h, na Arena da Barra, no Rio de Janeiro (RJ), a rivalidade irá além do cenário nacional, já que entrará em quadra, também, a rixa Brasil x Cuba. A mineira Gabi tem como meta pontuar bem para ajudar seu time a conquistar o título. A cubana Carcaces, também.

Gabi carrega, pela terceira temporada consecutiva, a responsabilidade de ser titular da equipe nove vezes campeã da Superliga com apenas 20 anos. “A final do dia 26 será a minha terceira seguida, é a volta do clássico entre Rio de Janeiro e Osasco. Os torcedores queriam muito esta partida de volta à final, pois tem muita rivalidade”, destacou Gabi.

Das duas já disputadas, a primeira foi a mais especial. “O meu momento mais marcante da Superliga foi a minha primeira final, contra o time de Osasco, na temporada 2012/2013. Começamos perdendo de 2 sets a 0, conseguimos a virada e eu joguei como titular”, lembrou a ponteira do Rexona-Ades.

Já conhecedora do adversário, Gabi é só elogios ao Molico/Nestlé. “Eles têm um time muito forte, com muito potencial, que cresceu no campeonato e o nosso intuito é de segurá-las. Vamos jogar em um campo ‘neutro’, pois nunca jogamos na Arena da Barra e teremos que nos adaptar. Eles têm várias grandes jogadoras, entre elas a Carcaces, que é uma atleta fantástica, com muita potência e grande alcance no ataque”, ressaltou Gabi.

Carcaces, de 29 anos, chega a disputa da final na primeira temporada em que joga no Brasil. “Quando recebi a proposta do Molico nem pensei duas vezes, pois sabia que era um time forte e que a Superliga não seria um campeonato fácil. Queria essa experiência no Brasil. No início tive um pouco de dificuldade, aliás, o time todo, até que o jogo se encaixasse. Cheguei como estrangeira, mas, aos poucos, fui me adaptando. Sempre dei o máximo de mim nos treinos e nas partidas”, afirmou Carcaces.

Completamente adaptada a rotina brasileira, a ponteira do Molico/Nestlé comemora o fato de estar na grande decisão da Superliga.

“Estou muito feliz de ter chegado à final. Sei que na Arena da Barra cabem 14 mil torcedores e tem muito tempo que não jogo diante de um público tão grande. Será uma partida emocionante, com as duas torcidas apoiando os times. Não estou nervosa, pois estamos preparadas para a pressão. O trabalho em equipe é que ganha títulos”, disse Carcaces.

Depois de enfrentar o Rexona-Ades no Sul-Americano de Clubes e ao longo da Superliga, a cubana já tem conhecimento suficiente para saber a qualidade de uma das adversárias que terá pela frente no dia da final.

“A Gabi é uma pessoa com grande carisma. Não tive ainda muitas oportunidades de conviver com ela, mas dá pra ver que ela é carismática. Como atleta é incrível, ama o que faz e isso que é importante. Voleibol, ela tem de sobra, pois é da seleção brasileira e só com muito talento para chegar lá”, concluiu Carcaces.

Nenhum comentário:

Postar um comentário